Instrução pela Observação

Depois de um ótimo fim de semana na praia, com sol todos os dias (difícil de acontecer no litoral do Paraná), estou de volta para mais algumas aventuras! Nestes dias descansei bastante. Na área esportiva nadei um pouco, corri de leve, brinquei de Sonrisal e consegui surfar.

É interessante como, ao mudar de modalidade esportiva, o corpo rateia um pouco até pegar o jeito. O legal é que quanto mais você pratica, mais fácil e rápido é a volta.

Já fazia alguns meses que não surfava e achei que iria me bater bastante até pegar o jeito das ondas. No final das contas já peguei a primeira onda que apareceu e me diverti. Me ajudou o fato das ondas estarem pequenas, deixando o desafio mais fácil.

Como é legal surfar! Muitos esportes se integram com a natureza, mas o surf é incrível mesmo. A onda é, ao mesmo tempo, o desafio e o propulsor da aventura. Algo realmente especial!

O Sonrisal é um capítulo à parte. Para quem não conhece, ele não é o remédio, mas sim aquele disco de madeira que você lança na beira da água, pula em cima e desliza. Quando ganhei o meu, a uns quatro anos atrás, nunca tinha brincado com um destes. Resultado: quebrei o segundo dedo do pé esquerdo (ao lado do dedão) já no primeiro dia! 🙂

Eu diria que este fato foi um azar de principiante, uma ignorância mesmo no mais puro sentido da palavra. Deixei o meu corpo virar e perdi o equilíbrio para trás, fazendo um pé bater no outro, quebrando o dedo.

Mesmo assim não desisti, e tão logo tirei o gesso, voltei a treinar e nunca mais me machuquei. Até que peguei o jeito, e os anos acumulados com experiência em outros esportes, ajudaram.

Mas uma coisa legal nesta história de esportes é ensinar, passar o seu conhecimento para outras pessoas. Consegui ensinar o Natan a andar com o Sonrisal de uma forma bem fácil. Fiz ele empurrá-lo com os bracinhos até adquirir uma boa velocidade. Daí ele ficava de joelho e em seguida, de pé. Fácil, fácil.

Já para pessoas mais pesadas, é um pouco mais difícil ensinar, mas também dá-se um jeito. Consegui fazer um amigo deslizar alguns metros depois de várias dicas.

Na época em que eu aprendia a surfar demorei bastante para evoluir. Foi só um amigo dar dicas certeiras e pontuais e pimba, consegui melhorar rapidamente em vários pontos.

Juntando as coisas têm-se que um instrutor não é somente aquele que estudou educação física anos e anos. É também a pessoa que aprendeu na prática, mas, através da observação, sabe com te corrigir, indo direto ao ponto. Ter o conhecimento é uma coisa, mas saber passá-lo, é outra totalmente diferente.

Quando peguei um skate  freeboard para testar, lembro que levei umas duas semanas para começar a andar com um mínimo de decência. Não tinha ninguém para ensinar e peguei os macetes andando mesmo, sentindo o que estava errado e tentando adaptar o corpo para as mudanças.

Alguns meses depois vendi um freeboard para um conhecido. Sabe quanto tempo ele levou para aprender o básico? Duas horas! E o que mudou? Eu já havia penado antes e passei todas as dicas do que aprendi. Por isso ele pegou o jeito rapidamente. Duas semanas depois ele já andava melhor do que eu! 🙂

No bumerangue, a mesma história. Peguei as dicas iniciais com o Aurelio, mas passei um bom tempo treinando sozinho, até conseguir fazê-lo voltar até a minha mão. Depois que gostei da brincadeira comprei vários bumerangues e ensino sempre os amigos que vão comigo à praia. É impressionante como as pessoas aprendem rápido quando bem instruídas.

E saiba que se aprende também pela observação. Pedale, corra ou faça qualquer atividade física com quem conhece mais do que você. Observe, note e anote. Veja como ele se comporta e tente entender o porquê daquela atitude ou movimento. Aprende-se muito observando!

Todo mundo tem algo a ensinar, bem como a aprender. Não se acanhe, seja lá que esporte pratique. Peça ajuda aos outros! Veja algo que lhe intrigou e pergunte! Mesmo pessoas com menos experiência podem ter algo a lhe ensinar.

E quem é menos experiente, deve procurar um guru. Isso mesmo, uma pessoa que possa lhe passar as dicas que nem você sabe que deveria aprender. Seja humilde e persistente e chegará lá também.

E um dia, quando ver alguém precisando de ajuda, pense em ser um guru também.

Fotos: Bel e Markito

Comments

  1. Não sou velho, mas esse post é a cara da minha adolescência 🙂

  2. xampa says:

    mandou bem. a observação e a vontade de aprender …

  3. Marco Aurelio says:

    Tenho vontade de andar neste “negócio”, preciso de umas dicas, e niguem para filmar, rsss

  4. ———\\|/———
    ——–(@@)——-
    -o–oO–(_)–Ooo-
    Aeee Rodrigo nada melhor do que de vez em quando quebrar a rotina e isso ajuda muito o corpo…O blog Transpirando também é cultura tenho aprendido muito com seu blog, parabéns camarada.

    Bons treinos,

    Um abraço,

    Jorge Cerqueira
    Ultramaratonista
    http://www.jmaratona.blogspot.com

  5. Rodrigo Stulzer says:

    Oi Xampa!
    Somos eternos aprendizes!

    Oi Gustavo!
    Só é velho quem quer! 🙂

    Oi Minduca!
    Na próxima ida à praia já se sinta convidado!

    Oi Jorge!
    Obrigado pelo comentário! É sempre bom “ver” você por aqui!

  6. Jubanojuninho says:

    Nossa!!!
    A trinta anos atráz, eu já andava de sonrrisal e skate etá!!! tempinho bom… Hj aos 47 anos e com uma vida sedentária estou tentando voltar ao circuito. lógico que manobras já não da para fazer mais um long, skate tradicional e um sonrrisalzinho ainda dá… kkkkkkk
    Deixei aqui este comentário e vim expressar a todos aqueles que curtem esta modalidade saudavél, muita saúde e sucesso. anibal17@itelefonica.com.br
    Juninho.