Em Busca do Cerne Perdido

Ufa, desta vez cansei! Neste sábado fizemos o Cerne III, um projeto que começou em 2009 e já teve duas edições. Nesta vez o trajeto foi diferente: um circuito começando em Itaperuçu e chegando até a Estrada do Cerne. O negócio foi pesado, com 123km e muitas subidas e descidas.

Saí de casa às 06:30h e encontrei o Piu e o Fabio aqui por perto. Pedalamos até o Shopping Muller, onde o resto do pessoal esperava. Saímos em onze pedalantes, nós três e mais Leandro, Daniel, Du, Lulis, Mildo, Lyra, Luiz e Rogério.

O dia estava nublado e frio, mas ideal para um pedal longo destes. Já foi pesado assim, se tivesse sol e calor iríamos penar muito mais.

Nos outros pedais do Cerne fizemos trajetos só de ida. A primeira vez para Castro e a segunda para Ponta Grossa (que não pude ir). A Estrado do Cerne é muito antiga e, pelo que sei, a primeira ligação da capital com cidades importantes do interior. Gostei muito do primeiro pedal, num dia de inverno mas com céu azul muito lindo.

Como falei antes o trajeto neste ano foi um circuito muito bem planejado pelo Du, do Odois, pegando estradinhas e trilhas bem escondidas, num sobe e desce sem parar. O único porém foi a Estrada do Cerne mesmo, que só pegamos no final. O pedal então não foi propriamente no Cerne, mas sim todo o esforço e trabalho para chegar até ele! 🙂

Dois meses sem pedalar cobraram o seu preço. Senti bastante até o meio do trajeto, onde empurrei a bike  nas subidas mais íngremes, coisa que não faço normalmente. A parte boa é que do meio para a frente melhorei bastante e me senti muito melhor! Engraçado que isto é um padrão que noto nas corridas de aventura. Começo bem mas sempre acabo inteiro, melhor que muitas pessoas. Parece que a minha resistência é mais constante, distribuindo-se melhor durante a atividade.

Depois da parte de estrada de chão do Cerne, chegamos no asfalto, indo até Bateias. Ali esperamos o pessoal que estava mais atrás por um bom tempo; o Du havia furado o pneu. Eles chegaram e resolveram comer alguma coisa numa lanchonete. Eu e mais Piu, Daniel e Rogerio resolvemos continuar. Estava ficando tarde e logo iria escurecer.

Voltamos mais devagar que o normal, até pelo esforço dos 100km anteriores. Chegamos em Santa Felicidade já noite e nos dividimos.

Cheguei em casa bem cansado, mas feliz pelo ótimo dia e pela minha recuperação a partir da segunda metade do pedal.

Resumo

Pedal de 123km na rota Curitiba, Itaperuçu, estrada do Cerne e Curitiba. Muuuitas subidas e descidas (mais de 2.000m acumulados de ascenção) e vários trechos pesados.

Outros Relatos

Leandro, Luiz, Mildo, Daniel, Lyra, Rogerio, e algum dia do ODois. 🙂

Comments

  1. Luiz says:

    O negócio é fazer mais um do mesmo nível logo na sequencia pra entrar em forma!!

    Abraço

  2. daguvasco says:

    Cara fantastico esse pedal, cheguei morto mas super feliz por ter conseguido termina-lo.
    Valeu a companhia e até o proximo…
    Aquele

  3. mildão says:

    todos que foram estão de parabéns, pedal de respeito essa

    moooooooooove

  4. Opa,tks pela compania,estava pesado sim,mas muito divertido,parceria é isso.

  5. JOPZ says:

    Pedalzão.