Estréia do Natan na Orientação

Neste sábado fomos fazer a Clínica de Orientação para a segunda parte da turma do Curso de Corridas de Aventura. Agora foi a vez da Andreza e do Piu se meterem no mato para seguir o mapa proposto pelo Luciano (instrutor). Apesar de um pequeno mal estar da Andreza, tudo ocorreu bem e eles completaram o trajeto com louvor; deu tudo certo! A novidade desta vez foi que levei o Natan para aprender também.

Para um menino de oito anos, até que ele se comportou muito bem. Nesta idade eles ainda não conseguem se concentrar por um período muito longo em uma coisa só. E esta coisa foi a aula, que levou uma hora e meia. 🙂 O que ele realmente gostou foi pegar o mapa e começar a “caça ao tesouro” (achar os prismas).

No começo ele não entendeu bem o posicionamento do mapa em relação ao terreno, mas, ao longo do trajeto, foi pegando as manhas. Os últimos pontos ele navegou sozinho!

Durante a aula, apesar de ter achado que demorou muito, ele aprendeu as marcações básicas do mapa e as lembrou durante o trajeto. Para ajudar, um dia antes eu mostrei-lhe um dos meus mapas e expliquei o que eram os vários detalhes do terreno.

Utilizamos o mapa da categoria infantil e levamos quarenta e três minutos para fazer um circuito com onze prismas. O trajeto foi bem interessante e compatível com a idade, com os pontos em locais fáceis de se encontrar, mas que, necessariamente, precisava-se ler o mapa para achá-los.

Perto do final do trajeto (na ruína) achamos várias amorinhas selvagens maduras. Eu já saí comendo e o Natan só provou depois que eu insisti. Estavam bem gostosas! O único problema foi passar por elas, pois eram espinhos para tudo quanto era lado… 🙂

Aproveitamos bem a manhã do sábado, com todo mundo saindo um pouco cansado da atividade, mas feliz pelo que aprendemos! A orientação é um ótimo esporte para a integração de pais e filhos, pois a exigência física depende da vontade de cada um, e não de uma condição prévia. Recomendo para todos os pais de plantão!