Serginho Laus, a Pororoca e o Filme Surf Adventures 2

Serginho Laus: Escritor, jornalista, recordista do Guinness surfando a onda mais longa do mundo, e  um cara muito gente boa, cheio de carisma e sempre de bom astral.

Já o conhecia de anos atrás, quando realizei um campeonato de Carveboard aqui em Curitiba. Ele me entrevistou para o Programa de Esportes Radicais que comanda na Jovem Pan FM e depois acabamos fazendo uma session de carve juntos, numa noite de outono, com bebê de colo nos braços. Surfista não tem jeito, é fissurado mesmo! 🙂

Serginho mantém um site de suas aventuras na Pororoca, o Surfando na Selva e também um blog: Aventuras do Laus.

Aproveitando a estréia do filme Surf Adventures II, entrei em contato com ele para fazer uma entrevista aqui no Transpirando. Ele de pronto aceitou e o resultado está aí embaixo. 

Se este novo filme for tão bom quanto o Surf Adventures I, corra e vá direto ao cinema, pois será imperdível, ainda mais vendo na telona! 

Atualização em 11/06/2009: O Serginho acabou de bater o recorde mundial da Pororoca!!

Voltemos então à entrevista! 🙂

Transpirando: Conte como foi o seu começo nos esportes e como você iniciou no  surf.

Serginho Laus: Comecei com 03 anos fazendo natação! Minha família sempre foi ligada ao esporte, da parte da minha mãe todos são tenistas. Com isso a minha aproximação com o esporte foi intensa. Com 06 anos ganhei uma prancha de bodyboard e com 10 uma prancha de surf!!! Não parei mais e continuo até hoje, surfando, nadando, jogando tênis, e fazendo outros esportes. Mas é o surf que levo a vida profissionalmente.

Transpirando: O surf é um mercado bem competitivo, e você teve a sacada de se especializar na Pororoca. Quando você começou a se interessar pelo fenômeno e como teve a idéia de tentar surfar por lá?

Serginho Laus: Tudo foi naturalmente. Na verdade acho que foi a pororoca que me escolheu, pois não tinha pretensão alguma com o fenômeno. Antes de ir a primeira vez pra pororoca em 2000, o Guga Arruda, que foi o primeiro a surfar no fenômeno, me contava as aventuras e eu o condenava!!!! Depois fui pra lá e vi qual é o verdadeiro poder da floresta! Depois de anos desbravando a pororoca, me especializei nisso, pois é uma coisa que gosto muito de fazer! Em 2000 uns amigos do nordeste me chamaram pra participar e fazer uma matéria pra revista Hardcore. Foi do nada!!! E ai quando vi já estava voando pro Amapá pra surfar na foz do rio Amazonas.

Transpirando: Você já surfou em várias pororocas ao redor do mundo. Me fale onde esteve e a particularidade de cada uma delas.

Serginho Laus: Em 2004 estive na pororoca da França, conhecida como Mascaret, no rio Dorgdone na cidade de Bordeaux. Lá a onda do fenômeno é pequena, chega no máximo a um metro de altura e é ladeada por castelos e vinícolas! Uma paisagem muito bonita, mas com a temperatura da água fria! Já no ano passado, 2008, estive na pororoca da China, uma semana antes dos Jogos Olímpicos de Pequim começarem! Foi o maior desafio, pois precisava de autorização do Governo Chinês e levamos 05 anos pra isso. Lá o fenômeno é chamado de Dragão, uns dizem Black Dragon e outros Silver Dragon, mas o que interessa é que a onda é muito forte e chega a dar o mesmo frio na barriga de quando vamos pra pororoca do rio Araguari. Ao invés de estar na selva Amazônica, parece que estamos numa arena, pois o rio Quintang não tem margens de lama ou ribanceiras, lá as margens são todas concretadas!!! Grandes fábricas na beira do rio, pontes, hotéis e carros cruzando o rio da pororoca chinesa… O mecanismo das pororocas é o mesmo, o que muda mesmo é a paisagem! Por enquanto a do Brasil está ganhando disparado em todos os quesitos.

Transpirando: Com todas estas conquistas você conseguiu vários patrocínios como Goofy, Ogio, Outdo (tem mais?). Além disso você comanda um programa de esportes na Jovem Pan de Curitiba. Depois de todo este tempo você conseguiu colher os frutos de sua dedicação? Dá para viver só dos esportes?

Serginho Laus: Alguns patrocínios já tinha desde a minha carreira de amador, muitos se foram e poucos ficaram! Com a especialização da pororoca novos apareceram, que foi o caso da Outdo, marca de óculos de sol. A Goofy e a OGIO me acompanham desde o início! Esse ano faço 10 anos usando os calçados da Goofy!!! Além disso coordeno toda a programação de esportes radicais da rádio Jovem Pan de Curitiba. A batalha é constante, nunca pára! Sempre vivi do surf e pretendo viver pra sempre! Porém é difícil e exige muita persistência e amor pelo que faz!

Transpirando: E além de surfista você é escritor, pois contou suas aventuras no livro Pororoca: Surfando na Selva. Como aconteceu isso?

Serginho Laus: Escrevo bastante, já fui correspondente da revista Hardcore, Fluir, Venice, e outras. Já trabalhei na redação da Hardcore também. Fui um dos fundadores da ex revista Boards. E já publiquei muitos artigos e matérias e várias revistas, sites e jornais dos esportes radicais e surf. Isso me deu uma base junto ao curso de jornalismo pra que pudesse escrever o livro Pororoca – Surfando na Selva, publicado pela Ediouro em 2006. Foi logo após que bati o recorde mundial. A editora gostou da minha história e abriu o espaço!!! Já se passaram 03 anos e te garanto que já dá pra escrever o próximo livro!!! Todas as expedições possuem histórias diferentes e alucinantes. É envolvente demais. Vale a pena conferir o livro que conta com 208 páginas com fotos coloridas e preto e branco, inclusive com um DVD.

Transpirando: O filme Surf Adventures foi um sucesso de público e crítica. Eu tenho o meu em casa e volta e meia assisto de novo. E o Surf Adventures II, programado para estreiar neste fim de semana em várias cidades do Brasil, conta com a sua participação. Como surgiu este projeto?

Serginho Laus: Desde o primeiro falava pro pessoal colocar a pororoca no filme! Tudo a ver; surf e aventura! Surf Adventures!!! E no final de 2005 consegui junto com o Vinicius Sguarezi, meu parceiro de surf e cinegrafista, a reunir com o pessoal da Massangana Filmes a qual, na época, estava produzindo o filme novo a colocar a idéia da pororoca no roteiro. Não foi fácil fazer com que o diretor aceitasse a idéia, mas deu tudo certo e hoje ele gosta muito do fenômeno. Inclusive é uma das melhores partes do filme e rouba a cena por toda a crítica e divulgação.

Transpirando: Como está a sua expectativa em relação ao filme, já que ele deve ter também uma distribuição fora do Brasil. Nos conte o que podemos esperar dele.

Serginho Laus: Foi muito maneiro! Uma coisa é você ir ao cinema assistir um filme de surf ou outro qualquer. Outra coisa é você ir ao cinema para assistir você e uma obra que você articulou do início ao fim. Digo da parte da pororoca e outras partes do Brasil que tive o prazer de participar. O filme está com imagens alucinantes, surf de primeira qualidade e uma trilha muito boa. A galera vai curtir, só tenho ouvido bons comentários, inclusive no Jornal O Globo, o bonequinho apareceu aplaudindo!!! Sinal positivo! Vale a pena conferir o Surf Adventures 2. A pororoca é animal….hehehehe

Transpirando: Quais são seus projetos para este ano e para o futuro? Ainda faltam muitas pororocas para serem desbravadas?

Serginho Laus: Quero bater o meu recorde, na minha primeira pororoca de 2009 já vi que posso, pois surfei 45 minutos. Além de voltar pra China e fazer o meu filme das pororocas do Brasil e China, aprovado pela Lei Rouanet! Só falta captar os recursos pra fazer o filme! Além disso levar outros esportes radicais pra Amazônia. Teremos muitos desafios, só está começando. Já as pororocas do mundo a fora, tem muitas… Inglaterra e Alaska são os próximos passos. Aguardem…

Transpirando: Alguma palavra final?

Serginho Laus: Quero agradecer aos meus patrocinadores OGIO, GOOFY, OUTDO, Academia Gustavo Borges, MGM Operadora, Governo do Estado do Amapá e a Prefeitura de Cutias do Araguari. Além da minha família e amigos. Valeu Rodrigo e Auera Auara pra todos….

* Auera Auara = Aloha no surf da selva.

Aproveite e veja abaixo o trailer do Surf Adventures 2

Comments

  1. […] Há, e a parte da Pororoca é show mesmo! […]