Produto: Bastão de Caminhada

A alguns anos atrás eu ganhei dois bastões de caminhada da minha mãe. Não havia tido a oportunidade de experimentá-los até o final de semana passado, quando escalamos o Pico Paraná. Eu até havia levado eles para usar no Trekking de 50km, mas acabei esquecendo-os no carro. :–(

Desta vez levei e pude sentir o que é usar este tipo de equipamento em uma caminhada na montanha. Seguem as minhas impressões para as pessoas que quiserem adquirir um.

A ideia de se usar bastões de caminhada é muito antiga, e os cajados são versões mais primitivas dos atuais bastões. O princípio é que com o cajado/bastão, você diminui o esforço que faz nas pernas. Opa, e para onde vai então este esforço que estava nas pernas? Desaparece? Não, caro amigo. Como já dizia Lavosier:  “na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma“. O resultado é que acontece a transferência de carga das pernas para os braços. Não é à toa que alguns reclamam de dores dos braços depois de usar os bastões, não é Vini? 🙂

Alguns dizem que a transferência de carga pode ser da ordem de 30%. Eu acho que este percentual não deve ser tão alto assim, mas qualquer coisa perto dos 15% ou 20% já é uma grande vantagem.

No Pico Paraná achei que ele foi muito bom na parte inicial, até a parte da Sela, entre o Caratuva e o Itapiroca, pela baixa inclinação da trilha e pela condição do terreno. Na descida ele não ajudou, atrapalhando em vários momentos. Tanto que de um ponto para baixo segui o conselho do Vini e escondemos os bastões no meio do mato para pegar depois.

A minha impressão é que que os bastões se comportam melhor em terrenos planos e em subidas onde a inclinação não necessite de ajuda das mãos (as famosas escalaminhadas). Tem também a questão de se usar um ou dois bastões. Acho que isso depende de cada um. Se eu não tivesse ganhado, compraria um, e depois, se visse necessidade, compraria o segundo.

Resumo: Bastão de caminhada
Para que serve: Transferir parte da carga para os braços
Vantagens: Fácil de usar; pouco peso
Desvantagem: Não é usável com muita inclinação do terreno
Onde Encontrar: Território

Comments

  1. Mildo Jr says:

    Cara, vale a pena comprar esse equipamento.
    Usei no Araçatuba, emprestei de um colega.
    Ajuda muito !!!!!! Nas subidas e descidas.
    Agora a questão de 2 ou 1 não sei.
    Eu acho que 1 é o ideal, pois fica com uma mão livre, no caso de uma emergência.

    Vou comprar um desse !!

  2. Matheus says:

    Interessante, não fazia muita idéia como esses bastões ajudaria em uma atividade. Valeu o post.
    Abraços.

  3. […] pedalar, nas corridas de aventura, montanha e outros lugares. Na foto inicial do artigo sobre os Bastões de Caminhada dá para ver a calça e uma das camisetas que […]

  4. > Não é à toa que alguns reclamam de
    > dores dos braços depois de usar os bastões,
    > não é Vini?

    Hahaha… o que a falta de hábito trás, né? Mas então… minha “formação” montanhística não envolveu a utilização de bastões de caminhada. Talvez pela cultura, muito provavelmente pelo relevo, nunca senti falta.

    A primeira vez que tentei usar um, de madeira e improvisado, foi na aproximação ao Pico da Neblina, no trecho do banhado. Mas desisti depois de 1/2 hora, uma vez que lá não há o que ajude a passar pelo lodo.

    A segunda e última, foi no Camapuã, pra testar um bastão de verdade. E foi bem como você comentou: muita dor no braço.

    Agora nas férias pretendo usar nas caminhadas de aproximação. Vamos ver se me adapto…

    Abraços, até o futuro breve!!

  5. Olá, o bastão ajuda muito nas descidas também pois serve como apoio e estabiliza o corpo. Para isso você precisa regulá-lo, aumentando um pouco o seu comprimento. O tipo de ponta também faz diferença pois se ela não firmar no terreno você sentirá insegurança. Tem bastões com pontas que seguram em qualquer terreno, são bem melhores, mas também são geralmente mais caros.
    Abraço!