Leonardo: O Homem que Corre Descalço!

No artigo que fiz sobre o Vibram Five Fingers tive um comentário do Leonardo Liporati, de BH. Ele corre descalço a mais de quatro anos e criou o site pes-descalcos.org. Na hora convidei-o a me dar uma entrevista para o Transpirando.com; afinal aqui falo o que pratico, e nada melhor do que pegar as informações direto na fonte!

Como vocês Leonardo, o Homem que corre Descalço!

Transpirando.com: Fale um pouco de você, de sua experiência em corridas e em outros esportes. Quantos anos tem, a quanto tempo pratica…

Leonardo: Tenho 41 anos. Quando criança pratiquei judô por vários anos, na adolescência fazia musculação e pedalava nos finais de semana por diversão. Nesta época participei de duas corridas de rua sem orientação, empolgado pela vitória do, também mineiro, João da Mata na São Silvestre. Há seis anos e meio comecei a praticar corrida como preparação para um concurso que exigia testes físicos.

Transpirando.com: O que o despertou para a corrida descalço? Há quanto tempo você corre desta maneira?

Leonardo: Nos dois primeiros anos de corrida eu sentia muitas dores na face interna da canela nas duas pernas, a chamada canelite. Eram duas semanas correndo e uma semana esperando a dor passar. Tentei o que ensinam por aí: trocar o tênis, fazer alongamentos para a região e fortalecimento dos músculos anteriores da canela. Vi que o melhor era o fortalecimento mas percebi que não tratavam da causa do problema, apenas aliviavam os sintomas. Para minha sorte, em 2005 encontrei o site RunningBarefoot.org, do americano Ken Bob Saxton, que já correu mais de 60 maratonas descalço. Portanto fazem quatro anos e pouco que corro descalço.

Transpirando.com: Como foi a sua transição para a corrida descalço, que tipo de  treinamento fez?

Leonardo: Iniciei tirando o tênis ao final dos treinos e correndo uns 500m. Isto umas duas a três vezes por semana. O incrível é que, ao tirar o tênis e começar a correr descalço, a dor que eu estava sentindo na canela sumia de imediato. Depois de um tempo resolvi seguir o conselho do “guru” Ken Bob: se você quer aprender a correr descalço, não use o tênis que te vicia na técnica incorreta, corra apenas descalço. Assim passei a correr só 1km por dia 3x por semana, fui aumentando aos poucos, 2km num dia, saltava um dia, 1km no outro, saltava mais um, 2km no outro…

Gastei uns seis meses para voltar a correr a quilometragem semanal que corria com tênis. Foi um processo díficil, tem que ter força de vontade pois o resto do corpo já está acostumado a muito exercício físico e com só 1 km ele fica pedindo mais. O jeito era fazer outra atividade aeróbica: pedalava na ergométrica.

c

Transpirando.com: Pelo que vi você corre totalmente descalço, sem nenhuma proteção como os Vibram Five Fingers. Você não se machucou nunca, com cortes ou arranhões nos pés? Já teve algum tipo de lesão depois que começou a correr descalço?

Leonardo: Nunca me cortei. Usualmente corro no asfalto ou no cimento, onde é fácil enxergar o tipo de perigo que causa cortes. A grama alta é perigosa pois pode esconder uma garrafa quebrada, assim quando corro na grama procuro locais onde ela está cortada.

Já tive duas lesões traumáticas na sola por causa de pedras. A pior delas foi numa prova de 10km onde uns 7km eram em rua calçada e uns 800m em rua de terra cascalhada. O cascalho machucou mesmo minha sola, fiquei umas 3 semanas de molho até a dor nos pés passar.

Lesões de corredor, eu tinha canelite e síndrome do piriforme recorrentes na época do tênis. A canelite sumiu, e a síndrome do piriforme foi se tornando rara e já faz mais de ano e meio que não o sinto. Mas já tive por três vezes uma dor no tornozelo/calcanhar direito que penso ser por contratura do músculo fibular longo. Bastaram uma ou duas semanas de descanso para a dor sumir.

Transpirando.com: E qual é a técnica que você utiliza durante a corrida descalço? Pisa como?

Leonardo: Na prática eu já não fico cuidando da técnica a cada instante, vou no automático e deixo a natureza me levar. Mas sei que isto acontece mais ou menos assim: meu pé toca o solo quase por inteiro sendo que as partes de fora e da frente parecem tocar um instante antes do calcanhar, o joelho está levemente flexionado neste momento, o que permite que a panturrilha amorteça o impacto atráves de uma contração excêntrica. Não se aterrissa com o calcanhar pois isto causa dor e desconforto.

Os passos são mais rápidos e curtos, nunca tentando esticar a perna para buscar o solo à frente mas aterrisando os pés embaixo da linha do corpo. Ao iniciar a passada tentar elevar os pés com a força dos músculos da coxa ao invés de empurrar o pé contra o chão. A ação de empurrar vai levar a uma maior abrasão da sola. Corra relaxado, não fique tenso antecipando alguma dor, relaxe, se estiver sentindo o impacto dobre um pouco mais os joelhos e relaxe.

Transpirando.com: Que tipos de provas descalço você participa e quais os seus melhores tempos em cada uma delas?

Leonardo: Usualmente provas urbanas, no asfalto, a maioria de 10km. Tenho 3 meia-maratonas no currículo mas nenhuma maratona ainda. Estou estudando estrear na Maratona de Curitiba este ano. Meu melhor tempo nos 10km é 39’38” e na meia-maratona é 1h35’41”. Meu tempo atual nos 10km é por volta dos 43 minutos.

Transpirando.com: Você já correu descalço em trilhas ou fora de estrada? Tem alguma restrição para correr descalço em algum lugar?

Leonardo: Já corri em estrada de terra com pouco ou nenhum cascalho mas em trilhas mesmo não.

Evito terrenos com pedras soltas ou mesmo ruas em que o asfalto está desgastando e soltando as britas. É melhor correr em ruas de calçamento bem assentado do que em asfalto fragmentando de tão velho. Também evito locais onde não consigo ver o chão, por exemplo: grama alta, ruas escuras à noite.

Transpirando.com: Para alguém que está pensando em começar a correr descalço, o que você recomenda? Qual seria o tipo de treinamento para a transição?

Leonardo: Não use estes calçados minimalistas, tipo o Vibram Five Fingers (VFF) ou o nacional Okean Maré, para realizar uma “transição”. Nem tente engrossar sua sola artificialmente. Se você quer aprender a correr descalço, corra descalço. Use estes calçados depois que você tiver aprendido a correr descalço e tiver fortalecido os ossos, músculos, tendões e a pele de seus pés e de suas pernas que estão atrofiados e hipersensíveis pelo uso continuado de calçados.

Estes calçados vão te proteger apenas dos verdadeiros benefícios de correr descalço, principalmente do feedback sensitivo que seus pés irão lhe fornecer.

Imagine que você é um bebê que está aprendendo a andar: começe do zero, tenha paciência, progrida aos poucos, saiba ouvir o feedback que seus pés estão lhe dando. É preciso força de vontade pois o resto do corpo está acostumado com alta quilometragem e irá pedir mais, faça outra atividade aeróbica.

Para quem já quebrou um braço ou perna, o calçado ao longo dos anos funcionou para seus pés como o gesso para o membro quebrado, ao tirá-lo a pele está supersensível e os músculos fracos, atrofiados.

Transpirando.com: Mesmo para aqueles que não pretendem correr descalços, você acha que a corrida descalço pode ajudar no treinamento de atletas que correm sempre de tênis?

Leonardo: Não tenho experiência em treinamento de atletas mas acredito na opinião de Vin Lannana, diretor-técnico de atletismo da Universidade do Oregon*: “Acredito que os atletas que tem treinado descalços correm mais rápido e tem menos lesões.

* Antiga casa de Steve Prefontaine e Bill Bowerman fundador da Nike.

Transpirando.com: O que você acha da teoria da conspiração sobre o marketing dos tênis de corrida ser somente para vender mais produtos?

Leonardo: De fato, os grandes fabricantes de tênis criaram um excelente negócio em cima da teoria que o impacto causa lesão e o tênis com amortecimento é a cura. Passaram anos incutindo na cabeça dos educadores físicos, dos fisioterapeutas e dos médicos esta teoria sem nenhuma evidência científica. A Nike já percebeu a falácia e lançou o Nike Free. Entretanto ela não ousou a mudar o design típico de um tênis pois vai contra a moda. Mesmo assim o Nike Free não fez sucesso pois vai contra o próprio mantra que ela cantou por anos. É difícil os fabricantes romperem o paradigma que eles mesmo criaram e em cima do qual ganham dinheiro.

Transpirando.com: E no seu dia-a-dia, como é? Usa sapatos/tênis normalmente e só corre descalço? Fica descalço o maior tempo possível?

Leonardo: Procuro ficar o maior tempo descalço, pois isto mantém os pés secos e andar descalço ajuda a condicionar os pés. Entretanto só consigo ficar descalço em casa, ou quando vou para a área rural. Na cidade, para sair, uso sandálias ou chinelos. Aposentei quase definitivamente calçados fechados; só os uso em eventos sociais que os exijam.

Transpirando.com: Fale um pouco sobre o site pes-descalcos.org. Quando começou, de quem foi a ideia…

Leonardo: Em 2006 eu queria criar um site para divulgar a corrida descalço e registrar minha planilha de treino. Comecei a participar de uma comunidade no Orkut (Adoro andar descalço) onde um pessoal queria lutar pelo Estilo de Vida Descalço, em suma, a liberdade de ir e vir mesmo sem estar usando calçados. Juntei a fome com a vontade de comer, criei o site pes-descalços.org com uma seção só de corrida descalço.

Transpirando.com: Existem muitos corredores descalços no Brasil? Você tem alguma estimativa?

Leonardo: Somos poucos, mas no mínimo uma dúzia, contando os que participam da comunidade Correndo Descalço no Orkut, outro que conheço por email e mais um ou outro que já vi na imprensa, tipo um índio que todo ano corre descalço a Maratona do Rio.

Transpirando.com: Alguma outra coisa que você queira que os leitores do Transpirando.com saibam?

Leonardo: Apenas convido, aos que se interessarem nesta aventura, que participem da nossa comunidade no Orkut para trocar experiências. Também que leiam as FAQs em nosso site e a seção Técnica de Corrida. Se dominarem o inglês que leiam as seções “Beginning” e “How” do site RunningBarefoot.org.

Um abraço, Leonardo.

Transpirando.com: Obrigado Leonardo, e muitos quilômetros descalços para você!!

Veja também:

matéria com o Leonardo e outros corredores descalços no Correio Brasiliense.

Comments

  1. Daniel Ghiraldi says:

    cara que loucura rs
    Tentei ao ler a entrevista reproduzir as passadas mas nao consegui.
    Acredito que com o tenis seja muito dificil mudar isso, tem que treinar muito e ficar muito concentrado.
    Excelente entrevista.
    parabens.
    aquele

  2. Elias Amaral says:

    Fantastica a entrevista. Nunca tinha pensado nesse ponto de vista: mas andar descalço é realmente muito bom!

    Agora, tenho uma restrição quanto a andar descalço: suja os pés. Inclusive, com coceiras e etc. Será frescura minha?

  3. Luiz says:

    Rodrigo, legal sua iniciativa. Acho que pra fechar a discussão seria interessante escutar um ortopedista qualquer hora dessas.

    Será que o impacto não é um bicho tão feio assim? Será que existem pessoas menos pré-dispostas a impacto do que outras? Será que nosso amigo Leonardo vai sentir os problemas mais tarde?

    Um abraço

    Luiz

  4. Rodrigo Stulzer says:

    Oi Luiz!

    Pelo que vi a questão toda é bem controversa, mas o impacto muda por causa do jeito da pisada. Com tênis, pisamos primeiro com o calcanhar. Quando se corre descalço, a pisada é com a parte da frente do pé. E o que funciona então como amortecedor? A panturrilha!

    É bem interessante o conceito e, faz bastante sentido.

  5. Rodrigo fantástica a história do Leonardo, parabéns a ele, pois acredito que ele deva ser exceção, pois correr assim é perigoso principalmente para as articulações, pois vc pode cortar o pé com algum material cortante, pois ele só deve correr de dia eu duvido ele correr a noite assim descalço. Pois aqui no Rio de Janeiro tem dois corredores um de mais de 70 anos que corre descalço também e o outro é um índio que corre com a roupa de índio e descalço

    Um abraço.

  6. roger says:

    Ahi conheço o Leo e ele me inspirou em abandonar o calçado, comecei meu periodo de transição no ano passado e este ano ja corri 03 prova descalço, sendo que meu ultimo tempo foi 42’40” na adidas primavera 2009. Depois de 20 anos correndo calçado e usando e conhecendo todos os tipos de tenis nacionais e importados, afirmo que correr descalço é sem duvida a melhor maneira de correr livre de lesões.

    abrçao

  7. xampa says:

    que historia.
    que reportagem.
    isso sim é transferir conhecimento. parabens pela iniciativa.
    aprovada !!!!!!

  8. Cara sensacional como vc corre. Isso é superação nos limites do corpo. Não dou conta de corre de tênis direito, nem consigo me imaginar correndo descalço. Quando o mineiro aqui for à praia, vou experimentar na areia, mas no chão duro não tenho coragem mesmo!!!

    Parabéns pela proeza.

    Um abraço do @correguto
    Equipe Twitter’s Run
    Venha corre a Volta da Lagoa da Pampulha com agente!!

  9. Fabiana says:

    Nossa,que loucura!

    Parabéns a você eu não tenho essa coragem.

    Bons Kms

  10. […] Correr Descalço (Ou Quase): Vibram Five Fingers Leonardo: O Homem que Corre Descalço! Okean Maré: Um Calçado Minimalista Livro: Born to Run – A Maior Corrida que o Mundo Nunca Viu […]

  11. […] meio da matéria tem um box com o meu amigo Leonardo Liporati, que por um erro de edição, acabaram chamando-o de Leandro. A foto onde o Leonardo aparece é […]

  12. Márcio Almeida says:

    Prezado Leonardo, por seu intermédio tive o prazer de conhecer o Dr. Erik Neves, daqui de Brasília e pudemos, juntamente com outros amigos dele, participar da foto da Revista “Isto é”. Achei ótimo porque nos dá mais credibilidade, né.
    Me mudei para uma região onde as vias têm muito pedregulho e por isso tenho corrido desclço muito raramente. Mas pretendo voltar à carga, depois da reportagem.
    Abr.

  13. leandroveyance says:

    ola,gostei muito da materia eu corro calçado,por que tenho dor no calcanhar(esporão)sera que correr descalço pode me favorecer ou piorar?
    vou tentar bem na manha após os treinos tipo caminhar e depoís correr 500mts obrigado abraço.
    carapicuiba sp

  14. Roberto Mori says:

    Estou realmente aprendendo o sentido de correr,pois a liberdade de escolha nos proporciona uma sensação unica, refletindo num todo em nossa vida!