Tembiasa e Microfraturas da Tíbia: Não foi desta vez!

No início do mês fiz mais uma ressonância magnética dos dois joelhos. O objetivo foi ver como estava a evolução da minha Síndrome da Banda (ou Trato) Iliotibial. Para a minha surpresa o diagnóstico apontou um outro problema: microfraturas na tíbia.

Estas microfraturas acontecem por fadiga de treinamento com uma carga superior à que o corpo estaria acostumando a suportar: o conhecido overtrainning.

Com isso, a Corrida de Aventura Tembiasa, na qual ganhei a inscrição, foi para o brejo. O médico me proibiu de correr ou até mesmo de andar muito (isso inclui o trekking) por um mês. Bem, pelo menos posso pedalar, e é isso que estou fazendo! 🙂

Este tipo de fratura é algo que pode demorar para ser curado. A consolidação do osso pode ocorrer de um a seis meses, dependendo da pessoa. Para alguns leva mais tempo ainda! Desta maneira não tinha como eu participar de uma corrida de 300km sem causar algum estresse no meu corpo. A prudência falou mais alto e repassei a inscrição para o Peda e o Felipe, que fariam parte da minha equipe.

O Minduim, que fazia parte da equipe, também não vai. Ele teria que treinar sozinho e iria correr com pessoas que não conhecia. Corridas de Aventura têm muito a ver com a integração e a amizada da equipe. Então não fazia mesmo muito sentido ele correr com quem não conhecia.

Apesar do meu diagnóstico ter apontado 3 problemas, o médico só considera as microfraturas algo relevante. A foto acima mostra o que foi diagnosticado no meu caso:

  • Lesão intersticial do ligamento cruzado anterior
  • Contusão/microfraturas do trabeculado ósseo do platô tibial medial
  • Distensão líquida da bursa infrapatelar profunda

O mais intrigante disso tudo é que o que me incomoda mesmo,  a dor na lateral externa do joelho, não aparece diagnosticado na ressonância.

Mesmo assim não fiquei triste por não poder ir para a Tembiasa. Seria um ótimo desafio e eu iria conhecer muitas pessoas legais. Mas este tipo de corrida acontece todos os anos, e tenho certeza que vou estar presente em alguma delas em um futuro próximo.

Obrigado a todos que me incentivaram para a participação na prova. Não foi desta vez, mas com certeza terei uma próxima oportunidade!

Comments

  1. Marco Aurelio says:

    Saber a hora de parar, de participar ou não participar de uma prova é um grande desafio. Desistir sempre passa uma impressão de derrota, mas tenha a certeza que não é, sabermos se temos condições técnicas e/ou físicas para participar exige muita responsabilidade. Vc fez a escolha certa, e sabe que se quizermos ano que vem estaremos lá. Quem esta mais tranquilo agora são Os Kalunga, pois sem nossa equipe eles tem muito mais chance de ganhar, he, he.

    Abraços e uma rápida recuperação.

    Marco Aurelio

  2. ———\\|/———
    ——–(@@)——-
    -o–oO–(_)–Ooo-
    Amigo Rodrigo, infelizmente acontece coisas na vida que nós não entendemos, fazer o que nessas horas? Abaixar a cabeça? Desistir de tudo? Eu digo NÃO, NÃO E NÃO, vc é um GUERREIRO, e quem é guerreiro não desiste nunca, tenha paciência que tudo se resolverá…
    O nosso corpo é uma máquina e como uma máquina ela nos adverte quando alguma coisa está para acontecer através das dores, pois cuide dessa máquina que com certeza vc ficará melhor.
    Boa recuperação.
    Um abraço.

  3. Gian says:

    Oi Rodrigo, sinto muito pelo infortúnio que teve mas não desanime e siga em frente com a recuperação e as atividades esportivas que você pode praticar. Tenho certeza que a tua recuperação vai ser mais rápida do previsto!
    Abraços

  4. Sivuca says:

    Bem, só se gasta aquilo que se usa.

  5. Sandro Rodrigues says:

    Cara, blz? Acabei lendo este post seu porque tava pesquisando sobre um problema diagnosticado num RM que fiz há 2 semanas. Meu caso aparentemente é bem parecido com o seu, inclusive, eu desconfiava do problema no trato iliotibial. Como é que foi sua recuperação, afinal? Ficou tudo zerado depois? Agradeceria se pudesse me responder. Valeu!

  6. Rodrigo Stulzer says:

    Oi Sandro!

    Eu parei de correr e nunca mais tive o problema.

    Abraços!

  7. Sandro Rodrigues says:

    Valeu, Rodrigo!

    Mas, assim, “parei de correr” = parar mesmo? Nunca mais praticou? Ou parou pra se recuperar e voltou depois? Só pra ver se entendi.

    Abraços.

  8. Rodrigo Stulzer says:

    Olá Sandro!

    Desculpe não explicar melhor. Vamos lá! 🙂

    A corrida nunca foi o meu esporte principal (era a bike). Então eu parei de correr mesmo. Mas continuei com a bike e com as corridas de aventura, que também envolvem corridas, mas com menos intensidade (em trilhas, sendo a maioria trekkings e trotes).

    Corridas normais e treinos de corrida nunca mais fiz.

    Espero que agora tenha esclarecido melhor.

    Abraços!

  9. Rauny says:

    Ola brother achei esse post pq tenho um problema parecido com o seu tbm, ja faz 4 meses e ainda sinto dor no joelho ao agachar.. fiz 2 meses de fisio e agora o medico me liberou para fazer musculação (fortalecimento muscular)….
    Soh que meu edema é no plato tibial lateral….

    Mas gostaria de saber quanto tempo demorou para voltar a praticar as atividades fisicas sem sentir dor nenhuma. Valeu

  10. Rodrigo Stulzer says:

    Olá Rauny!

    Veja a minha resposta no meu último comentário. Na verdade não parei de fazer atividades físicas, o que parei foi a corrida (totalmente). Mesmo assim continuei com a bike e com as corridas de aventura. A dor acabou com o passar do tempo. Exatamente quanto eu não lembro.

    Abraços!

  11. Rauny says:

    Blz Rodrigo mais vc acha que foi mais de seis meses… ou fico entre 3 meses a 6…..

  12. Rodrigo Stulzer says:

    Acho que mais para 3 do que para 6. Depois disso as dores sumiram e nunca mais apareceram. Agora fica a dúvida se eu voltasse a correr se elas apareceriam de novo.

    Abraços!