Atitude no Mountain Do Costão do Santinho – 2009

Neste sábado participamos do Mountain Do Costão do Santinho, edição 2009, em Florianópolis. Foi uma ótima junção de passeio, diversão, encontro com a família e esporte… muuuito esporte! 🙂

O Mountain Do é uma corrida de revezamento em montanha que pode ser feito em equipes de 8, 4 ou 2 participantes. Nesta edição a prova teve 70km divididos em 8 trechos de 6 a 11km entre montanhas, bosques, estradas rurais e praia.

Na imagem abaixo dá para ver o trajeto, que saía do Costão (1), ia para Ingleses (2), voltava no Costão (3), pegava a praia de Moçambique (4), Barra da Lagoa (5) e Praia Mole (6). Daí começava a volta para a Barra da Lagoa (7) e finalmente a chegada no Costão (8).

O evento começou com um simpósio técnico na sexta à noite, com ótima organização e estrutura. As provas anteriores que participei sempre foram menores e achei bem legal ver um monte de gente reunida, verdadeiros amantes do esporte. A energia do auditório estava a mil e aproveitamos para ver as fotos dos eventos anteriores, as lojinhas e também para conhecer o pessoal.

O Natan gostou bastante! Tinha até um joguinho de corrida dentro de um carro de verdade! A Bel também aproveitou muito e foi essencial para ajudar nas filmagens e o transporte para todo o lado.

Antes do simpósio começar encontrei o Marcelo, nosso chefe da equipe Atitude. Foi ele que organizou tudo, fez as inscrições e gerenciou a galera. Valeu Marcelo!!

O engraçado é que conheci o Marcelo por acaso. No final do ano eu estava surfando em Guaratuba e vi um cara um pouco mais afastado do grupo. Pelo jeito ele não queria incomodar, pois estava começando a surfar. Eu gosto de ajudar as pessoas a entrar para os esportes e fui até lá. Conversei com o sujeito e dei algumas dicas. E depois de um tempo conversando descobri que ele corria e acabamos trocando emails. Este cara era o Marcelo e por causa do surf acabei entrando para a equipe dele e fazendo o Mountain Do!  Nos esportes, como na vida real, não deixe as oportunidades passarem 🙂

No sábado de manhã acordamos bem cedo, por volta das 06:30h. Estávamos na casa do meu cunhado, no Rio Tavares e tínhamos um longo trecho até chegar ao Costão. A largada foi as 08:20h e corremos bastante para chegar a tempo.

O meu trecho era o sétimo, e seria por volta das 13:00h. Então depois da largada fomos até uma padaria tomar café.

Como eu estou acostumado com as corridas de aventura, onde toda a equipe corre junto, achei meio estranho ficar ali comendo e conversando enquanto um outro colega corria o seu trecho. 

No café ficamos com o Henrique e sua namorada, Isaura. Ele eu conheci na corrida de aventura de Antonina. Além disso ele voa de parapente, então tínhamos muita coisa para conversar.

A estrutura foi impecável, com organização e diversão para toda a família. Quem tem filhos não se arrependeu: cama elástica, piscina de bolinhas, pula pula e algodão doce para deixar qualquer diabinho com cara de santinho 🙂

Depois do café pegamos os carros e fomos para o ponto de troca da Barra da Lagoa, no Projeto Tamar. Ali acabou sendo o nosso QG não oficial, por ser fácil de estacionar e termos duas trocas no mesmo local.

Ficamos lá esperando a chegada do Claudio e troca de bastão com o Gustavo, que partiu para subir a montanha da Praia Mole e fazer a troca com o Henrique.

Aproveitei para dar uma descansada, comer um pouco e tomar um maltodextrina para ter energia para o meu trecho. Até dormir eu consegui! Nada como treinar por anos o método de recuperar as energias rapidamente.  🙂

O pior de tudo foi ficar esperando o Henrique chegar para iniciar o meu trajeto. A adrenalina crescia e os batimentos cardíacos também. Normalmente em descanso eu fico entre 50% e 60% da frequência cardíaca máxima. Desta vez em estava entre 60% e 70% sem fazer exercício nenhum. Me acalmei alongando e fazendo um aquecimento para iniciar a corrida já num bom ritmo.

Uma coisa legal que fizemos foi “puxar” o companheiro que está chegando da sua corrida, nos minutos finais. Alguém da equipe, que já tinha corrido, vai uns 200 ou 300 metros antes da troca de bastão e fica esperando o colega, correndo junto com ele o trecho que falta. Isso ajuda muito pois dá um incentivo e acelera o ritmo.

Finalmente o Henrique chegou e iniciei o meu trecho de 6.4km entre bosques e praia, acabando no Moçambique.

Fizemos a troca de bastão e saí na disparada, passando pelo portal e logo em seguida entrando numa parte de bosque protegido do sol. Meu ritmo estava forte e resolvi segurar a onda. Nas corridas longas o que importa é o ritmo durante toda a prova. Não adianta querer dar um gás no início e quebrar no final. O ideal é fazer a metade da prova um pouco mais lento e aumentar o ritmo no final. Isso é o que se chama de Split Negativo.

Também me contive quando vi duas meninas correndo a uns 80 metros na minha frente. Na hora pensei em acelerar para passá-las, mas daí pensei melhor e continuei no meu ritmo. Se fosse para passar seria algo natural, e não forçado. Acabei tomando a decisão certa pois a cada minuto notava que estava cada vez mais perto delas. Depois de uns 8 minutos passei as duas, seguindo sem acelerar ou diminuir o passo. Foi aí que comecei a entender um pouco do jogo de xadrez das corridas.

Como passei, também fui passado. Um senhor de uns 50 e poucos anos me passou rápido e outro corredor também. Estávamos em ritmos diferentes e cada um continuou na sua.

Saí do trecho de bosque com 20 minutos de corrida e entrei na praia do Moçambique para os 2km finais. A maré estava alta e logo no início molhei o pé nas ondas que insistiam em tomar a praia inteira. Correr na areia já é mais difícil e pesado, imagina com o pé molhado e cheio de água. Nos primeiros segundos, logo depois de uma onda me melhor, parecia que eu tinha dois quilos de peso em cada pé.

Mesmo assim continue seguindo a linha d’água, procurando a areia mais dura para correr melhor. Avistei mais dois competidores à frente e segui no meu ritmo. Planejei passar deles mais perto do posto de troca, mas acabou não dando certo. Eu estava em um ritmo mais forte e no meio da praia já havia os ultrapassado. Fiquei com medo que eles recuperassem o ritmo e me passassem no final, mas isso não aconteceu. Quando olhei para trás da última vez eles estavam longe e não tinha mais problema de me passarem.

Durante todo o trajeto mantive o meu ritmo em 95% da frequência cardíaca máxima mas no final não deu para segurar, quando vi já estava em 98%. Nos últimos metros o Henrique me acompanhou e cheguei a 99%, já sentido o cansaço. Acabei o trecho em 35 minutos, fazendo um pace médio de 5:28m/km, entregando o bastão para o Marcelo fazer o último trecho.

Descansei um pouco e saímos para o Costão aguardando a chegada do Marcelo. Descemos até a praia do Santinho para puxá-lo. Ele chegou reclamando de câimbras nas pernas e subimos todos juntos a ladeira, incentivando-o. Nos metros finais o Marcelo disparou e tivemos dificuldade em acompanhá-lo para passar junto na largada. Isso que é vontade de competir! 🙂

Comemoramos o sucesso da equipe e fomos para a área de recepção receber as medalhas de participação e encher o tanque com frutas, sucos e um monte de comidinhas gostosas e saudáveis.

Na classificação final ficamos em 32, num total de 115 equipes, fechando a prova em 06:51′:52″. Uma ótima classificação para uma primeira corrida juntos!

O evento foi muito show e adorei ter participado. A organização, o trajeto, o local e os companheiros foram 10. Muito bom, já tenho vontade de fazer o próximo, em outubro!

E agora a parte especial. Para você que se interessou e leu até o final, segue o vídeo que gravamos no evento:

E tenho que fazer um grande agradecimento à minha paixão, a Bel, por dividir a câmera comigo e por todo o apoio durante a corrida. Sem você e o Natanzinho nada disso seria possível!

Comments

  1. Marcelo says:

    Valeu brou pelo trabalho… ficou bem bacana!

    abçs!

  2. CLÁUDIO says:

    Como diria aquela banda de irlandeses …

    It was a Beautiful Day!

    Valeu Pessoal e até a próxima aventura!!

  3. Henrique says:

    Foi show mesmo! E o texto tá bem bacana também! Valeu, Rodrigo!! Muito massa esse trem de correr em equipe hehe… abraços

  4. Gustavo says:

    Parabéns Rodrigo!
    Vc conseguiu mostrar bem o que foi o Mountain do!
    Parabéns para toda equipe
    Até a próxima aventura!

    Valeu galera ATITUDE!!

  5. Sivuca says:

    Que legal!! Que legal!!

  6. JC Baldi says:

    Caramba, Rodrigo, baita relato!
    Não é fácil descrever tanta coisa.

    Abraço
    Valeu pela visita.

  7. Rodrigo, parabéns!! Receber retorno sobre o evento como este é um grande prazer para todos que trabalham na organização e no patrocínio ao evento.

    Nós, da Vitare Alimentos, estamos muito felizes com os resultados do evento e a energia captada com todos vocês.

    Esperamos vê-los nos próximos eventos!

    Ahh… muito obrigado pelo “comidinhas gostosas e saudáveis”… é nossa MISSÃO!!!

    Forte abraço!

  8. Vanessa do Gustavo says:

    Sensacional, Rodrigo…tanto quanto o dia que passamos lá!!!
    Parabéns pelo blog. O incentivo ao esporte é um estilo de vida único.
    Um beijão a Bel e ao Natan…e nos coloque em contato para começar os treinos para a maratona do Beto…rs
    bj e nos vemos nas corridas!

  9. Fran says:

    e com direito a declaração de amor no final! hehehe. adorei isso.

    sua família é linda mesmo. seu filho é um boneco!!

    adorei o desafio, mas estou cansada só de ver. acordar cedo, treinar pra caramba, correr contra o tempo. Jesussss! nada vem de graça mesmo.

    parabéns!

  10. […] Pesquisei um pouco e achei um ótimo post falando de fcm e a sua determinação. Fiz o teste da ladeira e minha fcm bateu nos 192 bpm, como visto na imagem acima quando corri o Mountain Do. […]

  11. […] o livro do Claudio, que conheci quando corremos juntos a prova do Mountain Do do Costão do Santinho.  Um encontro casual, num dia de Surf em Guaratuba, gerou tanta coisa […]

  12. […] em quatro colegas: Henrique (do voo livre e das corridas de aventura), Aimar, companheiro do Mountain Do, Rodrigo Fonseca (pedal na cabeça) e eu. A corrida começou as três da tarde e a previsão era de […]

  13. […] Meus companheiros de pedal e de tantas outras aventuras, o Rodrigo e o Markito, foram também. Era a primeira corrida de verdade do Markito! Estavam lá também o André, que conheci no surf, e o Claudio, do Mountain Do. […]

  14. […] dez sessões de fisioterapia, o que me ajudou a correr o Mountain Do sem dores. De lá para cá acabei relaxando um pouco e correndo mais duas provas, uma de 12km em […]

  15. Damarys says:

    Eeeeee Roo…nossaa que joiaa…não poderia imaginar q você fez esta corrida…fui pesquisar um pouco sobre a corrida devido a um amigo meu ter participado e ficado em segundo lugar..e veja o que encontrei…a foto de você com a Bel e o Nathan…que joiaa..Parabensss ai pela corrida…saudades de tds. beijos

  16. […] Transpirando.com) mas nada com a finalidade específica de mostrar um evento. Depois que filmei o Mountain Do, vi o retorno positivo do pessoal e resolvi continuar. O objetivo principal sempre foi colocar o […]

  17. […] convencido dois amigos a participar, e tinha a responsabilidade de que a aventura fosse legal. No Mountain Do o bicho pegou na largada, assim como na Corrida de Montanha, em Campo Magro e na Corrida da […]